Página Inicial
A empresa
Cadastro
Destinos
Dicas
Eventos
Fale conosco
Fuso Horário
Hotéis
Links
Nossa Loja
Notícias
Promoções
Resort
Serviços
   
   Índice de Notícias
   
03/08/2006 15:09:28
Ceará: Multicultural, Canoa Quebrada se organiza no turismo

  
MARGARETE MAGALHÃES
Enviada especial da Folha de S.Paulo ao Ceará

Mais do que aquele lugar de bicho-grilo, Canoa Quebrada, a 150 km de Fortaleza, é praia de quem sabe apreciar a rusticidade nativa, que vive do turismo, da pesca e de rendeiras. Também agrada a quem está a fim de se entrosar com o modus operandi do vilarejo.

E não apenas turistas brasileiros viajam horas e se dispõem a estar perto daquele estilo; agosto é o mês em que os visitantes de além-mar chegam em peso. Portanto, Canoa está ficando cada vez mais multicultural e menos riponga.

Embora o destino cearense seja bem conhecido desde a chegada dos hippies nos anos 70, não faz muito tempo que Canoa decidiu se organizar melhor turisticamente.

Em 2003, foi criada uma associação com oito integrantes, e hoje 32 estabelecimentos participam da Asdecq (Associação dos Empreendedores de Canoa Quebrada). O vilarejo do município de Aracati já monta seus próprios festivais de gastronomia e música.

Nessa vila de gente que se conhece muito bem, convivem os estrangeiros que fincaram os pés para tocar seus negócios --principalmente holandeses, portugueses, espanhóis e italianos, além de argentinos-, a maioria dando conta de restaurantes e pousadas. Aliás, é bom lembrar que os hotéis e pousadas de Canoa, que totalizam 43, são pequenos.

A mescla de forasteiros tem dado certo. A rua do agito noturno emplacou um nome gringo. A Broadway, que fica apinhada na alta temporada, reúne culinária italiana, espanhola e argentina, sem deixar de fora o tempero regional. Servem tapioca, sorvete com sabor regional e até um prato que mistura os paladares cearense e catalão, com lulinhas e feijão-branco ao cheiro de caju.

No fim da Broadway, em direção à praia, vê-se uma falésia com uma lua e uma estrela, famoso símbolo de Canoa estampado em camisetas de suvenir.

As ruas labirínticas e estreitas do pequeno centro sempre abrem uma brecha para desembocar num outro beco. Ao final de três dias em Canoa Quebrada, quase não se erra mais a entrada para a sua pousada.

Um buggy e um carro pequeno em direções opostas quase não passam pela mesma rua de chão batido, também ocupada por pedestres. Um bugueiro sobe de um lado da calçada, se ajeita e pronto.

Dá para espichar os olhos e ver as redes enfeitando a sala das casas simples dos pescadores. Sem precisar invadir com os olhos, Canoa mostra as rendeiras na porta de casa, com os labirintos pendurados nas janelas, e as casas de pescadores feitas de palha e taipa em frente ao mar se equilibram sobre as areias, que parecem invadir a morada. Também esconde a rezadeira na vila dos Estevão, que cura mau-olhado e quebrante com um maço de pinhão roxo.

Para conhecer essa Canoa, cumpra as etapas: desvendá-la passeando de buggy e depois a pé, andando pelo centro e pela própria praia.




« Voltar
Anterior Próxima

 

 

   
GELT